No Volante

Qual gasolina escolher? Conheça os benefícios da aditivada

Entre a gasolina comum e a aditivada, o que você enxerga ao chegar no posto e decidir como abastecer é a diferença de preço. A aditivada costuma custar um pouco mais, então, como saber se vale a pena? Izabel Lacerda, especialista em combustíveis da Petrobras Distribuidora, explica: “A Petrobras Grid possui um pacote de aditivos, com redutores de atrito, detergentes e dispersantes. O redutor de atrito evita o desgaste do motor, para que ele funcione aproveitando toda a energia do combustível. O detergente faz uma limpeza, evitando depósitos de impurezas em todo o percurso do combustível no motor”.

Isso significa que, quanto mais você usar a gasolina aditivada no seu carro, melhor tende a ser o desempenho do motor e, consequentemente, melhor a eficiência. “Com o uso contínuo, os benefícios se somam. Teoricamente, ao usar a gasolina com aditivos, o consumo tende a ser menor. Só que o consumo também depende de outros fatores, como condições dos pneus e do asfalto, a temperatura e o jeito de dirigir”, Izabel esclarece, enfatizando que o desempenho não depende apenas do combustível. É importante ressaltar que os benefícios podem vir a longo prazo: como a Petrobras Grid reduz o atrito, o motor é melhor conservado e exige menos manutenção.

Já que os benefícios vêm com o tempo, a partir do uso constante da gasolina aditivada, é bom saber que misturar os dois tipos acaba diluindo os resultados. Ou seja, se tem o costume de usar a gasolina comum, e se essa é a escolha que faz mais sentido financeiramente para você, pode ficar tranquila. Tanto a comum como a aditivada têm a mesma octanagem. Na avaliação da especialista, a Petrobras Grid é a que tem melhor custo-benefício, enquanto a Podium é a que oferece melhor desempenho: “Quem tem condições, pode escolher a gasolina Podium, que é superior, a mais estável do mercado brasileiro. Nem todo mundo na atual situação tem como arcar com o combustível de valor mais alto. Então a Grid é a de maior custo-benefício, pois o consumidor paga um pouquinho a mais em relação à comum e tem todas essas vantagens”.

Vale ainda explicar que cada marca possui sua própria fórmula de aditivos. Ou seja, nem todas as gasolinas aditivadas são iguais: “Cada distribuidora tem o seu pacote de aditivos exclusivo para aquela gasolina e diesel. No pacote de aditivos da Grid, a taxa de dosagem é na medida certa para que os resultados sejam os esperados. A nossa foi desenvolvida e testada para chegarmos à que apresentou os melhores resultados. Não colocamos aditivos em excesso, o que poderia provocar mais depósitos e ter um efeito contrário. É por isso que costumamos falar que a nossa tem a medida certa”, conta Izabel.

É como se cada empresa tivesse sua receita própria – e a analogia também faz sentido porque o combustível é, para o carro, o mesmo que a comida é para a gente. É o que dá energia, o que nos movimenta. Do mesmo jeito que escolhemos nosso alimento com cuidado, colocando diversos fatores na balança, como nossa saúde e bem-estar, podemos ponderar com cuidado na hora de decidir qual gasolina vamos usar no nosso carro: “O ser humano funciona de acordo com o que come. É bom fazer essa associação na hora de escolher o combustível. Posso escolher um alimento mais saudável ou outro, mais gorduroso. Às vezes só pensar no que é mais barato não funciona”.

A Petrobras Grid é recomendada para todos os veículos, sem restrições, mas Izabel ressalta que veículos mais sofisticados e potentes podem atingir sua melhor performance quanto mais avançado for o combustível que usamos nele. Em alguns casos, pode ser recomendável apostar na Petrobras Podium, a de maior octanagem comercializada mundialmente.

 

  • No Volante Segurança para quem vai de carona: cuidados na hora do embarque e desembarque

    Saiba mais
  • Mecânica Sete coisas do seu carro que você precisa conhecer

    Saiba mais