A dona da boleia

Ela dirige uma carreta articulada que carrega até 60 toneladas

A vida da Solange é na estrada. A bordo de uma carreta articulada de até sete eixos e que pode carregar quase 60 toneladas, ela já chegou a ficar 45 dias sem voltar para casa. Mas, garante: não quer parar tão cedo!

Acostumada a ouvir elogios sobre suas habilidades na direção, decidiu iniciar a carreira de caminhoneira. Quando foi chamada para sua primeira entrevista, não tinha nenhuma experiência a bordo de um caminhão. No caminho, viu estacionado um modelo como o que teria que manobrar, conversou com o motorista, pegou alguns macetes e conseguiu a vaga.

“A empresa dava prioridade para mulheres porque nós não faltamos, cumprimos o horário e diminuímos os gastos com consertos e multas.”

Desde então, dirigiu de caminhão pequeno a bitrem, um biarticulado que usava para carregar bombas de combustível pelo país. Solange diz que não se intimida em ser uma das poucas mulheres na estrada. Foi uma colega do trabalho, inclusive, que a incentivou a ser carreteira.

“Achava que carreta era coisa de gente doida, mas aí comecei a observar as manobras dos veículos da empresa e resolvi juntar dinheiro para trocar a categoria da minha carteira de habilitação.”

Ela conta que não sabe o que vai dirigir no futuro, mas de uma coisa tem certeza: da estrada ninguém a tira.

Nós temos certeza disso! Se você também tem uma relação especial com o volante, como a Solange, conte sua história pra gente, usando o formulário abaixo. Quem sabe ela não aparece por aqui?

  • Minha história Após a morte do pai, ela decidiu mudar de profissão para conscientizar motoristas

    Saiba mais
  • Minha história Elas se uniram para fazer auto-escola, falharam juntas e, depois, venceram

    Saiba mais