Ela criou um aplicativo que conecta passageiras a motoristas mulheres

Gabriela Corrêa busca gerar empregos com segurança para quem dirige

Ela transformou uma experiência ruim com um taxista em uma ideia que vem fazendo a diferença em meio à mobilidade urbana de São Paulo. Gabriela Corrêa, 34 anos, é CEO de um aplicativo que há um ano vem conectando passageiras a motoristas e taxistas mulheres, proporcionando segurança e sendo mais uma ferramenta de empoderamento para as mulheres.

Gabi diz que a ideia surgiu após ter sofrido uma situação de assédio com um motorista do sexo masculino. “Por precaução, comecei a viajar somente com taxistas e motoristas mulheres. Mas, às vezes, não conseguia fazer corridas com elas. Eram muito concorridas e me diziam que a maioria de suas clientes também preferia ser conduzidas por mulher”, recorda.

Assim, a fim de facilitar a procura e proporcionar uma maior segurança, a aplicativo é utilizado 100% por mulheres, que tanto podem pedir a corrida, como demonstrar o interesse em fazer parte do serviço. Atualmente, são mais de 400 motoristas e taxistas cadastradas.

Empregos para mulheres que dirigem

Além das usuárias se sentirem mais seguras, a CEO acredita que a iniciativa também auxilia profissionalmente as motoristas. “Não só ajuda muitas mulheres a conquistarem sua independência financeira mas também contribui para a igualdade de gêneros neste meio, que sobretudo é dominado por homens.”

Com experiência como administradora, Gabi conta que sempre gostou de dirigir. “Amo carros, trabalhei muitos anos na oficina mecânica do meu pai e até fiz cursos de mecânica”, conta. “Mas, o que me motivou de verdade foi a possibilidade de gerar mais empregos com segurança para outras mulheres que também gostam de dirigir.”

O serviço está disponível inicialmente na capital de São Paulo e regiões metropolitanas, mas já há pedidos por mulheres de todo o Brasil e países da América Latina. E você, já utilizou um serviço exclusivo para mulheres como esse?



  • Minha história Esteticista durante o dia, motorista de caminhão guincho à noite

    Daniella Esteves, 42 anos, superou o nervosismo na prova de direção mesmo sob olhares de descrédito do marido

    Saiba mais
  • ORGANIZAÇÃO Organize seu carro para garantir mais segurança e bem-estar

    Saiba mais