Paixão pela estrada: ela comanda todos os dias uma carreta de 14 metros

Zeugma Alvarenga reuniu histórias de 13 anos na estrada em livro

Percorrer distâncias de 230 quilômetros todos os dias em uma carreta de 14 metros e meio de comprimento? Ela tira de letra! Zeugma Alvarenga, 62 anos, encontrou na estrada sua verdadeira paixão. O trabalho de motorista, que começou por acaso, hoje, já está até registrado em livro, repleto de histórias recolhidas em mais de uma década no volante, prestes a ser lançado.

Moradora de Caraguatatuba, em São Paulo, a vida de carreteira de Zeugma, como ela mesma gosta de chamar, surgiu meio “no susto”. Tudo teve início quando o marido Wantuir Alvarenga, 61, que já dirigia levando mercadorias, como calcário e soja, chamou-a para substituir outro motorista, que não se adaptou ao trabalho.

Assim, no ano de 2004, com 48 anos, Zeugma deu início à atividade que viraria sua vocação. “É complicado. É bem diferente de dirigir um carro. Eu fui me acostumando, pegando jeito e percebendo a reação da ferramenta”, conta. Tudo isso, é bom destacar, no comando de um caminhão com 18 pneus.

Os três filhos do casal deram todo o apoio, já que Zeugma, muitas vezes, ficava sozinha aguardando o retorno do marido. Desde então, o casal trabalha junto, cada um em seu caminhão. “Eu sempre vou na frente. E sempre muito perto”, explica a motorista. Entre as viagens, eles já atravessaram distâncias em estados como Mato Grosso, Paraná e Bahia.

Histórias de mais de uma década

Os 13 anos de Zeugma na estrada já renderam até um livro. “Do fogão ao Caminhão” conta algumas das histórias vivenciadas por ela e também conversas que teve durante todo esse período. O livro já saiu, mas ainda não foi lançado. E ela diz que ainda tem material suficiente para mais uns outros cinco.

Realizada com a profissão, a motorista não parece querer deixar a vida de carreteira tão cedo. “Cada dia que pego o caminhão é um aprendizado novo e, enquanto tiver saúde, vou continuar.”

A história de Zeugma define de forma perfeita o conceito de poder feminino. Nós apoiamos as mulheres que, assim como ela, todos os dias viajam no comando de seus caminhões e conseguem se destacar em um ambiente ainda bastante masculino. Que mais motoristas também sigam seus sonhos pela estrada!

  • Minha história Ela transformou a paixão por dirigir em trabalho e pilota um trator no interior de SP

    Sany Kurahara virou motorista profissional depois dos 40 anos: já esteve à frente do caminhão de coleta de lixo da cidade e hoje é operadora de transbordo

    Saiba mais
  • Mecânica Como escolher a oficina mecânica para levar seu carro

    Saiba mais